Bolão Imóveis Hotel VillaReal Pousada do Sol
Pesquisar
...
 
Informações
... Cidade
... Como Chegar
... Esportes
... Turismo
... Galeria de Fotos
 
Endereços
... Clube
... Construtora
... Hotel
... Imobiliária
... Internet
... Lanches
... Pousada
... Cad. de Empresas
 
Notícias
... Destaques
... Esportes
... Geral
... Policial
... Política
... Rápidas
... Turismo
 
Serviços
...Imóveis
...Tábuas das Marés
...Previsão do Tempo
...Previsão das Ondas
...Cadastre-se
...Contato
 
Destaques
18/02/2005 :: Proibida a venda de alimentos gordurosos nas escolas
Fonte: Jornalista Renato Luiz Adami
As aulas começaram e os alunos terão pela frente sur-presas na hora de comprar lanches nas cantinas escolares. Uma lei estadual foi criada para proibir a venda de refrigerantes, doces e frituras dentro das escolas públicas e particulares do Paraná. Com isso, as ins-tituições de ensino estão se esforçando na medida do possível para adequar-se às novas normas. É o caso da Escola Olga Silveira que está seguindo rigorosamente a nova Lei. “A gente fez uma reunião durante a semana com os pais para expor e informar a eles que não é só uma proibição do Governo, mas para evitar o mal que isso vem causando as nossas crianças”, disse a coordenadora da escola, Sueli Valem.
Na Escola Municipal Moy-sés Lupion também estão sendo respeitadas as normas previstas na Lei. As vendas na cantina da escola só come-çarão na semana que vem e a escola está preparada quanto a isso. “Nós vamos fazer um cardápio só com lanches caseiros e produzidos na cantina da escola para aumentar o sabor nutritivo do que as crianças comem”, afirmou a coordenadora da escola, Isabela Cleto de Oliveira. Ela disse ainda que as crianças irão evitar comer doces, salgados e beber refrigerantes, e a escola irá colocar a venda sucos naturais, cachorro-quente, nega-maluca e outras coisas desde que não sejam ar-tificiais.
Já o Colégio Estadual Joaquim da Silva Mafra poderá enfrentar problemas. É que o colégio depende da cantina para a arrecadação que é revertida para a compra de material pedagógico e escolar. Segundo a diretora do colégio, Maria José Rosa Sambati, ela entende que a preocupação da Lei seria com a saúde dos alunos, mas acredita que poderia fazer um trabalho de conscientização com os pais e os alunos para decidir o que é melhor para eles. “Agora irei falar como mãe, eu oriento que a minha filha não faça excesso do uso de doce, mas eu deixo a responsabilidade para os alunos, pois eles têm que ir já tomando decisões”, disse.

William Ramos de Miranda.
:: Voltar ::
:: Indique esta notícia para um amigo(a)
:: Envie seus comentários a respeito desta notícia
Veja todas as notícias
| Destaques | Geral | Esportes | Policial | Política | Turismo |
Copyright © 1998 - 2008 Bruc Sistemas para Internet Ltda. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Bruc Internet
Patrocinadores